Wednesday, September 19, 2007

Ao pé da rua das Alminhas, há uma árvore que cheira muito bem. O aromas das flores que dá - grandes e amarelas- chega a todas as ruas em redor, quando a noite cai.
Cheira a infância e a uns rebuçados de antigamente, de papel branco e azul. Eram ovais e brancos. Eram tão bons e eu nunca mais os vi em lado nenhum. Ficaram as árvores para eu me lembrar quando passava os dias com a minha avó e ela, de repente, desencantava um rebuçado daqueles, sabe-se lá de que caixinha mágica bem escondida, para eu não os devorar de uma vez.

8 comments:

>> nim said...

eram speeds diana, eram speeds!

mary said...

loooooool
não, cheira mesmo mesmo bem =)
(também é bom ao final do dia o cheirinho da churrascaria lol já o das sardinhadas-nos-quintais-que-nos-entra-casa-adentro nem por isso...!)

Anette said...

não sei que rebuçados são esses, mas dados pela avó só podiam ser dos melhores e mais fofinhos.

Alminha Mariana said...

É... diz que moram lá pessoas importantes e têm empresas privadas para tratar das árvores à frente de casa! Eu devo ser muito insensível mesmo, porque nunca me cheirou a nada!!

Alminha Mariana said...

É... diz que moram lá pessoas importantes e têm empresas privadas para tratar das árvores à frente de casa! Eu devo ser muito insensível mesmo, porque nunca me cheirou a nada!!

Peça said...

Eu sei que rebuçados eram: Dr. qualquer coisa que não ma lembre do nome do senhor. Eram para a tosse. E depois havia também flocos de neve.

Avó que é avó tem rebuçados Dr. coiso e flocos de neve nos bolsos, que dá aos netos Às escondidas dos pais:)

claudia said...

Dr. Bayard

A Proge said...

Dr. Bayard :):)