Monday, May 29, 2006

Casa nova, vida nova

Viver nas alminhas é do melhor. Apesar da casa ser quente como tudo e de custar a adormecer (entre duas a três horas), é muito bom e recomenda-se.
É assim uma espécie de sempre em festa, sem horários e grandes regras (excepto a de não deixar tudo desarrumado e não fazer barulho de manhã).
Chegar a casa é bom porque não vai estar lá ninguém para nos dizer o que há para fazer, ninguém para pedir coisas de 10 em 10 minutos, ninguém para se chatear por ter deixado a loiça na máquina.
Ao invés estão duas amigas para conversar, ou não, para aparvalhar, para bricolar (acho que vamos andar na bricolage até ao fim dos nossos dias nas alminhas), para não fazer nada.
Hoje saí de casa às 7h30 e elas ficaram a dormir. Quando acordarem já eu estou a trabalhar há meia hora, as grandes sonsas.
Não se via vivalma em Lisboa, tudo calminho, quase irreal, ao estilo Vanila Sky. Ao chegar à Margem Sul, levei uma espécie de pancada nos olhos que me fez voltar à realidade: já havia bicha do Algarve aqui, desconfio.
Agora vou voltar ao trabalho, que o tempo urge.

2 comments:

Catarina said...

Venho só dizer que sinto que és uma traidora, por teres deixado a margem mais bela do tejo:-) Há algo melhor do que passar uma horinha a ver a A2 em camara lenta? E passar aquela bela ponte para o lado de lá ao pôr do sol? Hein?De qualquer modo desejo boa sorte para a vossa vida em comun:-)
Catarina

Anonymous said...

Os chineses dizem que a nossa vida acaba quando a casa está pronta, por isso é bom que haja muita bricolage e muito que fazer!!
Carlotita