Tuesday, July 15, 2008

O rescaldo e o balanço - Oeiras Alive 2008

E assim se passou o primeiro Festival do Ano! E terá sido, provavelmente o melhor cartaz do ano, ora vejamos:

1º Dia

Vampire Weekend - Os miúdos estão no bom caminho, deram um concerto a uma hora inglória, mas mesmo assim conseguiram animar as massas e cumpriram o seu papel.
MGMT - Mais uns miúdos que claramente ainda não se aperceberam que fizeram um bom albúm e, por isso, ainda não estão preparados para enfrentar multidões. Concerto fraquinho que defraudou as expectativas muito altas do público.
Peaches - Bombou como seria de esperar! Ainda estava tudo a meio gás, talvez por ainda ser cedo, mas realmente o cartaz neste dia era implacável. A esta hora ainda estava tudo mais preocupado em comer, do que propriamente em dançar. Apesar da energia dela ser contagiante.
The Hives - Foram um bom aquecimento para a banda seguinte. Mexidos, divertidos e com boa presença em palco.
Rage Against the Machine - Finalmente, o grande momento da noite. Muita raiva, muito fieis a si próprios e à ideologia que os marca. Foram grandes e trouxeram à memória uma adolescência bem passada!

O cancelamento por parte dos CSS foi um ponto negativo, mas sempre deu para aliviar a correria entre palcos, que neste dia, foi intensa!

2ºDia

Não vale a pena descriminar banda por banda, pois foi o dia mais fraquinho do festival. Mais um cancelamento, mas desta feita, menos notado, uma vez que os Nouvelle Vague já cá vieram 321 vezes mais ou menos. Teve como ponto positivo o prolongamento do concerto de John Butler Trio! Uma bela maneira de acabar uma Sexta-Feira. Bom som, boa onda, um regalo para os olhinhos, bons músicos com um único reparo, não terem tocado o "Peaches and Cream" - imperdoável!
Não me vou pronunciar muito em relação ao Bob Dylan - podem consultar o Blog do Desassossego e a carta aberta de Leididi a este senhor. Mas realmente era escusada tal má figura, Sr. Dylan. A noite foi, sem dúvida, dos Buraka Som Sistema, que depois dos "desenterrados vivos" dos Within Temptations sairem, puseram o MUSSULO a mexer. Gritos estridentes, asneiradas, crioulo, som vibrante, com os bits a ferirem o ritmo cardiaco e energia non-stop conseguiram até por toda a gente de gatas. É impossível ficar indiferente a estes "sócios", gostando ou não do género musical não dá para ficar quieto!

3ºDia

Midnight Juggernauts - Continuo sem conseguir distinguir as pessoas desta banda, porque o fumo era tanto no palco, que mal se viam! Um electro-pop audível com toques espaciais, que não calha nada mal. Mal Mal calhou a falaha técnica a meio do "Into the Galaxy", mas depois de resolvido o problema tivemos direito à reposição. Podiam ter sido mais simpáticos, mas já não foi mau terem repetido a música!
Roisin Murphy - A Rosinha para os amigos, presenteou-nos com um bom concerto. Muito power para esta loura que fez muito bem em seguir carreira para além dos Moloko. Pena que tenha coincidido com Neil Young.
Neil Young - É o avôzinho mais rockeiro que há memória! Bob, tu pões os olhos neste senhor, que ao fim destes anos todos, é capaz de chegar a um festival e por o pessoal a mexer. Promoveu o seu albúm novo ao mesmo tempo que nos presenteou com os seus exitos intemporais. Obrigado, Neil!
The Gossip - Fénix!(como diria a nossa querida happines) Mas o que é que deram a esta rapariga, quando era mais piquena? Já sabemos que alimentação saudável não deve ter sido, mas foi com certeza, algo muito forte, para ter a garra toda que tem! Muito bom é o mínimo que podemos dar à actuação desta banda. Péssima ideia a da organização terem-na posto no palco secundário, que estava a rebentar pelas costuras.
Ben Harper - O buddy dos costume. Nada de novo a acrescentar a não ser que deixou por cantar alguns temas flagrantes, que teriam ficado bonito na fotografia de fim de festival.
MSTRKRFT - Que desilusão... São provavelmente os gajos mais chungas à face da terra e ainda por cima com a mania que são DJ's. É que nem um disquinho estes senhores trocaram - vinha o trabalhinho todo feito de casa, para que os Mr. Sebososinhos tivessem só que mexer no som, fumar, apalpar as amigas que vieram com eles e puxar pelo público. Esperava mais de vosotros...

Nota negativa:
- para o PSICOLÓGICO, o nosso amor de há vários anos. Sabemos que deve ser culpa da ASAE, mas essa de venderem hamburgers embrulhados em papel ainda vos vai levar à ruína, meus amigos;
- para a (pouca) quantidade de barracas de cerveja e a incompetencia dos(as) meninos(as) que lá trabalhavam, Sr. Covões, já anda nisto há uns anos e devia saber que é crucial aquilo ser sempre a andar!;
- e mais uma vez, para a logística da troca de pulseiras que diz que era o caos!

Nota positiva:
- As casas de banho. Muito boa ideia a de porem WCs verdadeiros, sem serem aqueles caixotes de plástico nojentos!
- Optimus Oasis by The Do Lab. Cenário muito engraçado e um espectáculo original!
- Programa do Festival no telemovel por bluetooth. Não sei se havia disto já noutros festivais porque eu não tinha um telemovel capaz de recer estas coisas! Mas dá imenso jeito.

E venham mais, porque as alminhas gostam muito.

10 comments:

mary said...

atenção que eu fiquei-me pelo 1º dia do alive e por publicar essas fotozinhas.. o resto é da autoria da nossa alminha dj doidivanas mariana!

Lek said...

Sim sim sim, eu também estive nessa feira -Optimus Alive 2008- sim, eu (como diria alguém) sou uma "prostituta festivaleira". Gramo de ir, apesar de não ganhar dinheiro com isso. E essa é justamente a questão, ganhar dinheiro. Pá, basta-nos olhar para o cartaz. Sim, tem lá umas bandocas interessantes, umas que fazem um som giro, outras que têm um ou dois singles de exito, outras que temos uma curiosidade do camandro para ver ao vivo, mas enfim, não passa disso. Onde é que estão os Bandões?!? Onde estão os nomes que fazem encher os recintos? Os nomes consensuais capazes de reunir à sua volta, indie's rocker's e popeiros !? não há, nem tem havido (pronto, poder-se-á dizer que os RATM eram a excepção e que o Rock In Rio acabou com o resto). Os nossos festivais estão pobres, cada vez mais pobres. Os promotores sacrificam a qualidade em deterimento da rentabilidade, é pena, mas no lugar d'eles faria o mesmo. Não há omeletes sem ovos. E depois os Bandões são cada vez menos. Onde os há? Eu ouvi dizer que havia um... em Ermesinde.

Alminha Mariana said...

Eu compreendo o teu ponto de vista lek! Mas quais bandões? Metallica? U2? Pink Floyd? Dire Straits? Guns n'Roses? É isso? Esses estão sempre garantidos e acho que os prefiro ver em concertos só deles. Aliás já os via quase todos. Os festivais, na minha opinião, são bons exactamente para dar a conhecer esses indie's rocker's e popeiros! Se vierem cá os vampire weekend sozinhos, provavelmente não os vou ver, mas num festival vejo. É uma espécie de "apalpar terreno" e é aí que nascem os grandes bandões. Até porque não tens grandes concertos em festivais - é sempre um espaço limitado para curtires as bandas que realmente gostas muito. Acho positivo os festivais serem "montras" para algo maior, ou não!

Lek said...

My sweet MaryAnne,
Dei ali uma voltinha à caixa das recordações e descobri uns bilhetes de festivais passados, Comparemos:

SBSR 1995 (1ª edição)
Cure
Faith no More
Therapy
Morphine
Young Gods
Jesus & Mary Chain

Vilar de Mouros 1996
Tindersticks
Young Gods
Stone Roses
Xutos

SBSR 2005
Prodigy
Incubus
Moby
New Order
Black Eyed Peas
Marilyn Manson
Audioslave
Iggy Pop
Blasted Mechanism

(Para já não ir buscar o cartaz do Vilar de Mouros -82, eu era um puto imbérbe a mamã não me deixou ir)

MaryAnne, em verdade, olha para estes "elencos" e diz-me, acontecesse amanhã não ías a correr comprar bilhete!?

Dá aí uma volta pelo cartaz de festivais lá de fora tipo o Lollapalooza ou o Reading. Qualquer semelhança é mera coincidencia :)

Alminha Mariana said...

Claro que ia a correr comprar! Eu não disse que não gostava de bandões! Mas não podes nunca comparar um festival dos EUA aos nossos. Só o Lollapalooza tem 8 palcos, enquanto nós temos 2(regra geral). E o Reading também é dos maiores a nível europeu. Tens um Roskilde, que tem muito mais nome e dimensão que os nossos e, a meu ver, não fica atrás deste Oeiras Alive em termos de cartaz. Também não podemos esquecer o preço dos bilhetes... Enfim, um data de factores têm que ser levados em consideração. E mesmo assim acho que já temos muitos estrangeiros a vir assistir, o que é muito positivo!

Happinêss said...

O problema que se coloca hoje é que esses bandões depois dão concertos de carácácá porque insistem em tocar as coisas novas que ninguém conhece além de que já não se aguentam nas canetas. A essência destes festivais é teres justamente um grande nome rodeado de pequenos ou ainda desconhecidos nomes. Estes últimos daqui por três anos estão na ribalta, enchendo pavilhões atlânticos. Este cartaz foi muito bom.
Os MGMT de facto deram um concerto fraco tecnicamente, ainda lhes falta um coche, mas foi excelente reforçar a emoção de ver ao vivo o álbum que me leva a casa no Mp3.
Adorei o Dj set da Peaches - não é que a gaja passou e playbackou Britney Spears!?! Gostei de Midnight Juggernauts, apesar da quebra. Aliás, este festival para mim onde bombou mais foi na dança - o transe em que eu entrei quando Sebastien passou Kids dos MGMT. O Ben Harper e o Bob foram chatos, muito chatos. Sorry! Gossip foi bom, mas o ano passado foi melhor.
Queria sublinhar que agora é moda os Dj's levarem os amigos para o set. Por mim tudo bem, mas não encham o set com gajas badalhocas a mamarem-se da boca, a beberem água do Luso, a puxar o cai-cai para cima e a tirarem as cuecas do rabo, como as amigas de MSTRKRFT, isso não. Bastem-se a si próprios!
Resumindo, quando acabou, já estava com saudades. o melhor desta vida, para além das crianças, é estar com amigos a curtir música, a dançar e a rir! E o que a gente se riu com os Buraka Som Sistema, que rebentaram o passeio marítimo!
Bora ao Sudoeste?!!!!

Lek said...

Isto é Portugal, eu sei. O nosso potêncial é inferior.
Mas estes "festivais corporativos pré-sponsorizados" acabam com o resto. O que digo é: se ao comprar um disco eu posso ouvi-lo antes de comprar, ao comprar um bilhete de festival arrisco-me a sair de lá defraudado e isso não pode acontecer. Valha-nos pelo menos um cartaz forte.

As bandas deixaram de olhar para os concertos como forma de promover discos, passando a ser os discos, promoção para os concertos, que é de onde lhes vem o dinheiro. É em palco que eles têm de mostrar trabalho... Não existe essa de uma banda não ser "tecnicamente" boa.

E a essa de os festivais terem de ser um (1) nome rodeado de 4 ou 5 nomes menores (que um dia vão ser grandes), não subscrevo. Por duas razões. Primeiro porque se trata de um festival que tem de ser uma festa, uma comemoração, um grande espectáculo.
Depois, porque os tais "nomes menores", por mais que os ouçamos até à exaustão nos nossos MP3, nunca encherão sozinhos os Pavilhões Atlânticos nem os Alvalades. É pra isso que servem os palcos secundários e a Aula Magna ;)

PS- claro que vamos ao Sudoeste.

olivia said...

UGH!

The movie ran through me
The glamour subdue me
The tabloid untie me
I'm empty please fill me
Mister anchor assure me
That Baghdad is burning
Your voice it is so soothing
That cunning mantra of killing
I need you my witness
To dress this up so bloodless
To numb me and purge me now
Of thoughts of blaming you
Yes the car is our wheelchair
My witness your coughing
Oily silence mocks the legless
Ones who travel now in coffins
On the corner
The jury's sleepless
We found your weakness
And it's right outside our door
Now testify

Now testify
It's right outside our door
Now testify
Yes testify
It's right outside our door

With precision you feed me
My witness I'm hungry
Your temple it calms me
So I can carry on
My slaving sweating the skin right off my bones
On a bed of fire I'm choking on the smoke that fills my home
The wrecking ball rushing
Witness your blushing
The pipeline is gushing
While here we lie in tombs
While on the corner
The jury's sleepless
We found your weakness
And it's right outside your door
Now testify
Yeah testify
It's right outside our door
Now testify
Now testify
It's right outside our door

Mass graves for the pump and the price is set
Mass graves for the pump and the price is set
Mass graves for the pump and the price is set
Mass graves for the pump and the price is set

Who controls the past now controls the future
Who controls the present now controls the past
Who controls the past now controls the future
Who controls the present now?

Now testify
Testify
It's right outside our door
Now testify
Testify
It's right outside our door

I REST MY CASE!

Alminha Mariana said...

Oh Olivia, esse texto não é teu!!!lololol*RATM 4ever***

Lek said...

Só vos digo que o Zack de La Rocha passou muita fominha sempre que ía visitar o pai... coitado