Tuesday, February 19, 2008

Diz que choveu como o raio

As Alminhas- todas as três- acordaram- todas as três- às 4h30 com o disparate de chuva e trovoada de domingo. Cada uma no seu quartinho, com os lençóis até ao queixo, olhos esbugalhados e algum medo. Mas nenhuma se lembrou de procurar conforto no quarto ao lado, pelo que sofremos em silêncio, e sozinhas.
A mais medrosa é a Mariana. Aguerrida nas suas causas diárias, destemida e independente, pela-se de medo dos trovões. Não chora, mas tem vontade. Enfia a cabeça debaixo dos cobertores e canta muito alto. Mentira. Tem só medo.
A Maria é a mais prática: passou parte da noite a pensar o que iria salvar lá de casa quando as águas subissem ao segundo andar ou caso o prédio derrocasse. Deu tempo para planear uma saída rápida e com tudo o que fosse necessário à nossa sobrevivência- só não conseguiu decidir qual de nós chamava primeiro. Eu, mente mais tacanha, não pensei no caos geral, nas desgraças que efectivamente aconteceram. A minha atenção - enquanto chamava nomes feios à puta da chuva que não me deixava dormir- concentrou-se na varanda e na possibilidade desta encher qual piscina e a água entrar pelos quartos dentro. Nada disso aconteceu e meia hora depois já estávamos a dormir. No dia seguinte calcei as galochas (lindas, verdes, às florinhas) e fui desentupir o ralo da varanda. Não era uma piscina, mas era uma poça considerável. Os vasos, salvaram-se.

6 comments:

Alminha Mariana said...

É, diz que a trovoada é o meu calcanhar daqueles...Não conseguia pensar em mais nada senão "Quando é que esta merda acaba!??!!?". Mas depois o telefone tocou e a Maria entrou no meu quarto (não para me ssalvar) e depois voltei a dormmir! Que noite... humpff!

mary said...

ufaaaaaaaaaaa... trovoada do demo...

Happinêss said...

Mariana... não esperava isso de ti... ihihiihih
Maria, tu concentravas-te a salvar era o que daria para vender...
Leididi, se não podes salvar os outros, salva-te a ti.

Agora cá eu... tinha era me enfiado na que tem a cama maior com cara de gato das botas do shrek.

el mápausado said...

Ainda calcei as galochas, enfiei-me no carro,tive com água até ao motor, saí do carro pela janela e consegui agarrar-me a um caixote do lixo verde que por ali passava, decidi ir com ele até onde ele fosse, estava com esperança que o gajo soubesse o caminho para a casa da alminha Mary mas o cabrão só parou na Póvoa de Santa Iria...pena...queria tanto secar a mary com uma toalhinha turca...pode ser que na próxima 2ª chova mais um bocado.

R2D2 said...

As coisas que um gajo fica a saber sobre pessoas que um gajo até acha que conhece muito bem mas que afinal um gajo até conhece mas é o caraças!
Eu cá, para me fazer meter a cabeça debaixo dos cobertores, só mesmo uma pessoa a "coçar" a garganta enquanto dorme que nem um urso hibernador! Mas pronto, quem me conhece bem sabe do que falo...

Anonymous said...

Lei > Esta malta nao pode ver um pouco de chuva... têm de ir ao norte do mundo..